Login de Usuário



Home Category Blog
Example of Category Blog layout (FAQs/General category)
MSC Magnifica

Roteiros MSC MAGNIFICA

Roteiro

Porto Saída

Data Saída

Data Retorno

Rumo ao Prata

Santos
Brasil

20/12/2015

27/12/2015

Rumo ao Prata

Santos
Brasil

27/12/2015

3/1/2016

Rumo ao Prata

Santos
Brasil

3/1/2016

10/1/2016

Rumo ao Prata

Santos
Brasil

10/1/2016

17/1/2016

Rumo ao Prata

Santos
Brasil

17/1/2016

24/1/2016

Rumo ao Prata

Santos
Brasil

24/1/2016

31/1/2016

Rumo ao Prata

Santos
Brasil

31/1/2016

7/2/2016

Rumo ao Prata

Santos
Brasil

7/2/2016

14/2/2016

Rumo ao Prata

Santos
Brasil

14/2/2016

21/2/2016

Cruzeiro Qualidade de Vida

Santos
Brasil

21/2/2016

28/2/2016

Rumo ao Prata

Santos
Brasil

28/2/2016

6/3/2016

Msc Magnifica rumo a Europa

Santos
Brasil

6/3/2016

24/3/2016

 
Costa Cruzeiros
 
Porto

 

Porto

 

Resumo completo da História do Porto de SantosO marco oficial da inauguração do Porto de Santos é 2 de fevereiro de 1892, quando a então Companhia Docas de Santos - CDS, entregou à navegação mundial os primeiros 260 m de cais, na área, até hoje denominada, do Valongo. Naquela data, atracou no novo e moderno cais, o vapor "Nasmith", de bandeira inglesa.

Com a inauguração, iniciou-se, também, uma nova fase para a vida da cidade, pois os velhos trapiches e pontes fincados em terrenos lodosos, foram sendo substituídos por aterros e muralhas de pedra. Uma via férrea de bitola de 1,60 m e novos armazéns para guarda de mercadorias, compunham as obras do porto organizado nascente, cujo passado longínquo iniciara-se com o feitor Braz Cubas, integrante da expedição portuguesa de Martim Afonso de Souza, que chegou ao Brasil em janeiro de 1531.

Foi de Braz Cubas a idéia de transferir o porto da baía de Santos para o seu interior, em águas protegidas, inclusive do ataque de piratas, contumazes visitantes e saqueadores do povoado.

Escolhido o sítio denominado Enguaguaçu, no acesso do canal de Bertioga, logo se formou um povoado, motivo para a construção de uma capela e de um hospital, cujas obras se concluíram em 1543. O hospital recebeu o nome de Casa da Misericórdia de Todos os Santos. Em 1546, o povoado foi elevado à condição de Vila do Porto de Santos. Em 1550 instalou-se a Alfândega.

Por mais de três séculos e meio, o Porto de Santos, embora tivesse crescido, manteve-se em padrões estáveis, com o mínimo de mecanização e muita exigência de trabalho físico. Além disso, as condições de higiene e salubridade do porto e da cidade resultaram altamente comprometidas, propiciando o aparecimento de doenças de caráter epidêmico.

O início da operação, em 1867, da São Paulo Railway, ligando, por via ferroviária, a região da Baixada Santista ao Planalto, envolvendo o estuário, melhorou substancialmente o sistema de transportes, com estímulo ao comércio e ao desenvolvimento da cidade e do Estado de S. Paulo.

A cultura do café estendia-se, na ocasião, por todo o Planalto Paulista, atingindo até algumas áreas da Baixada Santista, o que pressionava as autoridades para a necessidade de ampliação e modernização das instalações portuárias. Afinal, o café poderia ser exportado em maior escala e rapidez.

Em 12 de julho de 1888, pelo Decreto nº 9.979, após concorrência pública, o grupo liderado por Cândido Gaffrée e Eduardo Guinle foi autorizado a construir e explorar, por 39 anos, depois ampliado para 90 anos, o Porto de Santos, com base em projeto do engenheiro Sabóia e Silva. Com o objetivo de construir o porto, os concessionários constituiram a empresa Gaffrée, Guinle & Cia., com sede no Rio de Janeiro, mais tarde transformada em Empresa de Melhoramentos do Porto de Santos e, em seguida, em Companhia Docas de Santos.

Inaugurado em 1892, o porto não parou de se expandir, atravessando todos os ciclos de crescimento econômico do país, aparecimento e desaparecimento de tipos de carga, até chegar ao período atual de amplo uso dos contêineres. Açúcar, café, laranja, algodão, adubo, carvão, trigo, sucos cítricos, soja, veículos, granéis líquidos diversos, em milhões de quilos, têm feito o cotidiano do porto, que já movimentou mais de l (um) bilhão de toneladas de cargas diversas, desde 1892, até hoje.

Em 1980, com o término do período legal de concessão da exploração do porto pela Companhia Docas de Santos, o Governo Federal criou a Companhia Docas do Estado de S. Paulo-Codesp, empresa de economia mista, de capital majoritário da União.

Atualmente, o Porto de Santos, movimenta, por ano, mais de 60 milhões de toneladas de cargas diversas, número inimaginável em 1892, quando operou 125 mil toneladas. Com 12 km de cais, entre as duas margens do estuário de Santos, o porto entrou em nova fase de exploração, consequência da Lei 8.630/93, com arrendamento de áreas e instalações à iniciativa privada, mediante licitações públicas.

 
Pullmantur
 
História-Guarujá

História da Cidade


Logo que o Brasil foi descoberto, ficou praticamente abandonado, pois o interesse maior de Portugal eram as Índias, e também descobrir o maior número de colônias possíveis para ganhar a "CORRIDA MARÍTIMA" com a Espanha, porque as duas eram grandes potências da época. Abandonado, o Brasil ficou sem nenhuma proteção dando margem para os corsários ingleses e franceses que segundo alguns, já conheciam o território brasileiro por causa do pau-brasil.


Quando o rei de Portugal certificou-se deste fato, mandou expedições para guardar a costa brasileira, mas, como não obteve êxito, enviou uma expedição colonizadora e é nesse momento, que começa a história de Guarujá, ou melhor, Ilha de Santo Amaro, no século XVI, por volta de 1.502. Nesse ano, uma armada, comandada por André Gonçalves e Américo Vespúcio, ancorou, a 22 de Janeiro daquele ano, na costa ocidental da Ilha de Guaibê (mais tarde denominada Santo Amaro), nas proximidades da Praia de Santa Cruz de Navegantes. Na ilha fronteiriça fundaram o Porto de São Vicente (Porto das Naus).


A Ilha de Santo Amaro (primitivamente denominada Guaíbe ou Guaibê) foi doada a Pero Lopes de Souza em 1.534 pelo rei de Portugal, D.João III, para que fosse colonizada e cuidada. Como oferecesse poucas condições de fixação ao homem, em virtude de seu relevo montanhoso e de difícil acesso, ficou abandonada, habitada apenas por indígenas e alguns colonos.


O nome da Ilha - SANTO AMARO - teve origem no nome da capitania que também abrangia toda a extensão da ilha e terras vizinhas, limitadas pela Capitania de São Vicente. Alguns afirmam que a ilha só passou a ser chamada efetivamente "Ilha de Santo Amaro" a partir da construção da Capela de Santo Amaro, localizada pouco atrás da Fortaleza da Barra Grande, construção essa realizada por José Adorno em 1.540.


A partir da construção da Capela de Santo Amaro, a ilha passou a ser ocupada por jesuítas, na catequese de pequenos grupos indígenas e nela foram construídos vários fortes e fortalezas para a defesa do litoral. Nessa época, foi instalada também uma indústria colonial de óleo de baleia, situada no extremo norte da ilha, próximo ao povoamento onde hoje está o município de Bertioga.

Até meados do século XIX, a Ilha de Santo Amaro era ocupada por vários sítios onde, no tempo da escravidão, eram escondidos negros contrabandeados da África.


Em 1.892, a Companhia Prado Chaves instalou a Companhia Balnearia da Ilha de Santo Amaro, com o objetivo de fundar a Vila Balnearia de Guarujá. Para isso foram encomendados dos Estados Unidos 01 hotel, 01 igreja, 01 cassino e 46 residências, desmontáveis e construídos em pinho da Geórgia. Uma estrada de ferro passou a ligar o Estuário de Santos à nova Vila. Duas barcas possibilitavam o transporte de passageiros da estação da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí (em Santos) ao atracadouro do Balneário, em Itapema.


A Vila foi inaugurada em 2 de Setembro de 1.893, pelo Dr. Elias Fausto Pacheco Jordão, tendo comparecido a esse evento inúmeras autoridades e personalidades da sociedade paulista, entre elas o Governador do Estado, Bernardino de Campos. Nicola Puglisi sucedeu o Dr. Elias Fausto Pacheco Jordão na presidência da Companhia Balnearia até 1.926, quando Guarujá foi transformada em Prefeitura Sanitária, sendo nomeado o Sr. Juventino Malheros seu primeiro prefeito.
Em 1.931, Guarujá foi integrado ao Município de Santos, situação que perdurou até 1.934. Pelo Decreto 1.525, de 30 de junho de 1.934, o Governador Armando Salles de Oliveira criou a Estância Balnearia de Guarujá, nomeando o Dr. Cyro de Mello Pupo, seu prefeito.


Até 1.947, Guarujá foi administrada por prefeitos nomeados quando, pela Lei Orgânica dos Municípios, promulgada em 18 de setembro de 1.947, passou a Município, ocorrendo, então, a primeira eleição para o período de 1.948 a 1.951, sendo eleito o Sr. Abílio dos Santos Branco para o cargo de prefeito.
Em 1.953, a antiga Vila Itapema passou a Distrito, recebendo o nome de "Vicente de Carvalho", em homenagem ao poeta santista.
Conhecida internacionalmente por suas belezas naturais, pelas praias e paisagem sofisticadas, Guarujá atrai milhares de turistas e, dia a dia, confirma seu codnome, "A Pérola do Atlântico".

 
« InícioAnterior1234567PróximoFim »

Página 1 de 7


Fornecido por GBT Solution. Designed by: joomla templates web hosting Valid XHTML and CSS.